Paquistão acusa a Índia de lançar "ataque não provocado"

O Paquistão acusou a Índia de lançar um "ataque não provocado" contra um de seus postos de vigilância na região da Caxemira, elevando as tensões entre as duas potências nucleares durante a visita do subsecretário de Estado americano Richard Armitage a Nova Délhi. O Paquistão informou que houve um grande número de baixas entre os indianos, mas não entre os soldados paquistaneses. Altos oficiais do Exército indiano disseram, no entanto, que o informe era falso e não houve tal confronto. Segundo um comunicado do Exército paquistanês, o ataque foi lançado por aviões indianos na noite de quinta-feira no setor de Gultari, nas montanhas do norte da Caxemira. O porta-voz militar paquistanês, general Rashid Qureshi, disse que aviões indianos realizaram entre três e cinco incursões, enquanto eram feitos disparos desde o lado indiano da fronteira da Caxemira. Cada parte acusa a outra de tentar prejudicar a visita do subsecretário de Estado americano. A Caxemira, a região do Himalaia disputada por Índia e Paquistão, foi o principal tema das conversações entre funcionários indianos e Armitage, que chegou hoje a Nova Délhi e viajará amanhã à capital paquistanesa, Islamabad. As acusações se produzem também em meio à campanha para as eleições legislativas no lado indiano da Caxemira. Nova Délhi espera que as eleições reforcem a legitimidade de seu governo, mas teme uma sabotagem dos separatistas islâmicos. O ministro da Defesa da Índia, George Fernandes, acusou hoje o Paquistão de ajudar os extremistas islâmicos a infiltrarem-se na parte indiana da Caxemira para sabotar as eleições de setembro. Durante reunião com Armitage, Fernandes manifestou a preocupação da Índia pelas tentativas do Paquistão de desestabilizar o processo eleitoral. Armitage recusou-se a comentar a troca de acusações, mas disse que os Estados Unidos "estão preocupados sobre a possibilidade de violência antes das eleições e isto é algo que estarei discutindo nesta viagem".

Agencia Estado,

23 Agosto 2002 | 17h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.