Paquistão alerta para possíveis novas enchentes no fim de semana

Presidente visita regiões afetadas por chuvas após ser criticado por manter viagens oficiais

Reuters

12 de agosto de 2010 | 08h57

 

ISLAMABAD - As autoridades do Paquistão emitiram novos alertas de enchentes nesta quinta-feira, 12, que deve permanecer ativo durante todo o fim de semana. O aviso foi dado em um momento no qual o governo e agências de ajuda trabalham para auxiliar as vítimas das fortes chuvas que atingem o país asiático.

 

Veja também:

mais imagens Imagens das enchentes no Paquistão

As enchentes, causadas por fortes chuvas nas cabeceiras da bacia do rio Indo, deixaram um rastro de destruição de mais de mil quilômetros, de norte a sul do país, matando mais de 1.600 pessoas. Cerca de 14 milhões de pessoas - 8% da população - foram afetadas e 2 milhões estão desabrigadas.

Autoridades preveem enormes prejuízos para a agricultura. A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um apelo por US$ 459 milhões em ajuda humanitária, e alertou que haverá mais mortes se a verba não chegar.

O Ministério das Finanças informou que, por causa da tragédia, o Paquistão não conseguirá atingir sua meta de 4,5% de crescimento do PIB neste ano. O Ministério não divulgou uma nova estimativa.

 

Visita

 

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, viajou na quinta-feira para uma área atingida por inundações nas últimas duas semanas, após ser criticado por ter mantido sua agenda na Europa em meio à crise, contribuindo com a imagem de ineficiência do governo.

Quando as inundações começaram, Zardari embarcou para visitas oficiais ao Reino Unido e à França. Dois dias depois de regressar ao Paquistão, ele viajou para a localidade de Sukkur, à beira do rio Indo, para inspecionar os danos e os trabalhos de emergência.

Centenas de estradas e pontes foram destruídas desde as montanhas do norte até as planícies da província meridional do Sindh, onde as águas ainda não recuaram. 

Várias aldeias e fazendas foram inundadas, destruindo lavouras e criação de animais. Em alguns lugares, famílias inteiras estão encolhidas em pequenos trechos de terra encharcada, junto a seus animais, ilhados pela inundação.

Nos pontos de distribuição de alimentos, as pessoas disputam os mantimentos. A chegada do mês do Ramadã, quando os muçulmanos jejuam até o anoitecer, aumenta o nervosismo das pessoas.

"O governo (...) deveria fornecer água limpa e comida limpa para as pessoas", disse o padeiro Mohammad Ali, que disputava mantimentos no noroeste paquistanês. "O Ramadã chegou, mas não vemos sinais de que o governo nos dará nada disso."

As lavouras de trigo, algodão e açúcar sofreram danos consideráveis e a ONU alerta para uma segunda onda de mortalidade entre as vítimas por causa de doenças e escassez alimentar, caso a ajuda demore.

Os custos da reabilitação do setor agrícola podem chegar a bilhões de dólares, segundo Maurizio Giuliano, porta-voz das operações humanitárias da ONU.

 

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoenchentesZardari

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.