Paquistão anuncia cessar-fogo permanente com Talebã

Acordo selaria paz no noroeste do país, mas militantes dizem que negociações ainda não estão encerradas.

BBC Brasil, BBC

21 de fevereiro de 2009 | 16h36

O governo do Paquistão anunciou um "cessar-fogo permanente" com militantes do Talebã no Vale do Swat, na região noroeste do país, próxima à fronteira com o Afeganistão."Eles se comprometeram a respeitar um cessar-fogo permanente e nós faremos o mesmo", disse o administrador da região, Syed Mohammad Javed. Javed afirmou também que o exército suspenderá as operações no vale e pediu a volta dos moradores que haviam deixado suas casas por causa da violência. O porta-voz do Talebã Muslim Khan disse à BBC, no entanto, que o Talebã ainda está analisando o progresso nas negociações com o governo paquistanês e deve fazer uma declaração nos próximos dias. No domingo passado, o governo local da região noroeste do Paquistão anunciou a implementação da lei islâmica (sharia) em partes da região do Vale do Swat, como parte de um acordo com os insurgentes. A sharia era uma reivindicação antiga do grupo que, extra oficialmente, já havia determinado a prática no interior da província, fechando centena de escolas e impedindo a educação de meninas. O porta-voz do Talebã diz que o líder insurgente Maulana Fazlullah, que liderou a violenta campanha pela adoção da sharia na região, está satisfeito com o acordo de paz, mas afirma que os militantes não vão baixar as armas até que a lei islâmica seja implementada de forma satisfatória na região.Milhares de pessoas fugiram do Vale do Swat e centenas de escolas foram fechadas desde o início da insurgência do Talebã em 2007.Mais de mil civis morreram durante bombardeios do Exército paquistanês ou foram decapitados por ordem dos militantes. O Talebã hoje controla todas as áreas rurais do Vale do Swat, enquanto o Exército do Paquistão ainda detém o poder em partes da capital regional, Mingora. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.