Paquistão anuncia morte de 45 taleban no Vale do Swat

Apesar de frequentes atentados terroristas, governo diz retomar segurança na região gradativamente

Agência Estado e Associated Press,

31 de agosto de 2009 | 11h40

As forças de segurança do Paquistão anunciaram nesta segunda-feira, 31, a morte de pelo menos 45 membros do Taleban, em combates em vários pontos do Vale do Swat. No domingo, um ataque suicida com explosivos contra um posto policial matou 17 cadetes.

 

O Exército afirma que está restaurando a segurança no Swat, no noroeste do país, após uma operação de três meses encerrar o controle dos rebeldes em várias áreas da zona. Mas os ataques suicidas e confrontos continuam.

 

Os milicianos juraram vingar a recente ofensiva dos militares para retomar o Swat e a morte do líder máximo do Taleban no país, em um ataque com mísseis norte-americanos, perto da fronteira com o Afeganistão, no início de agosto.

 

O ataque suicida de domingo no Swat foi o mais mortífero desde que o Exército recuperou o controle da região, em julho. Os soldados em busca de milicianos após o ataque encontraram resistência em vários pontos, e os combates se estenderam até a segunda-feira, deixando cerca de 30 mortos, segundo o porta-voz do Exército, coronel Akhtar Abbas.

 

Em declarações separadas feitas na segunda-feira, o Exército indicou que matou mais 15 milicianos, em outras cinco áreas, nas 24 horas anteriores. Além disso, dois soldados morreram. Os números não podem ser confirmados por fontes independentes.

 

O número de mortos após o ataque ao posto policial no domingo subiu para 17, informou o representante do hospital local Ikram Khan. O agressor conseguiu entrar em um jardim de uma estação na cidade de Mingora e detonou uma carga de explosivos junto a um corpo de voluntários que eram treinados para a função de policiais comunitários. As autoridades paquistanesas acusaram o Taleban pelo ataque.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoVale do SwatTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.