Paquistão ataca Taleban perto do Vale do Swat

O governo do Paquistão enviou, hoje, helicópteros e soldados para atacar militantes Taleban num distrito onde vigorava um acordo de paz, após forte pressão dos Estados Unidos para conter os insurgentes que avançam pelo nordeste do país. Pelo menos 31 pessoas foram mortas na ofensiva, que fez com que mais moradores de Lower Dir fugissem carregando crianças e poucos pertences.

AE-AP, Agencia Estado

26 de abril de 2009 | 20h54

A operação pode colocar em risco um pacto de paz fechado com militantes do Taleban no vizinho Vale do Swat, embora um alto funcionário tenha afirmado que o acordo estava "intacto". Outro funcionário exigiu que os insurgentes se desarmem, mas um porta-voz do Taleban disse que os militantes não abandonarão as armas.

A ofensiva em Lower Dir ocorre antes da reunião do presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, com seu colega norte-americano, Barack Obama, prevista para o início de maio. Funcionários paquistaneses negaram que pressões externas tenham influenciado na decisão de realizar a ofensiva.

Pelo menos 30 militantes morreram na operação, dente eles um comandante, além de um soldado paramilitar, segundo um comunicado e declarações do ministro-chefe Rehman Malik. O comunicado diz que a operação foi lançada por pedido do governo provincial e de moradores locais, mas não fornece detalhes sobre a abrangência ou duração esperada da ação.

O governo concordou em impor a lei islâmica no Swat e arredores, que constituem a Divisão Malakand, se o Taleban encerrasse sua violenta campanha no local, que já foi um importante destino turístico. Segundo críticos da medida, o acordo representou uma "rendição" aos militantes e advertiram que o Vale do Swat pode se converter num local seguro para aliados da Al-Qaeda.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoofensivataleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.