Paquistão autorizou bombardeio letal da Otan, diz jornal

Autoridades do Paquistão autorizaram o bombardeio aéreo da Otan que matou 24 soldados paquistaneses, disse o Wall Street Journal nesta sexta-feira, citando fontes oficiais norte-americanas.

REUTERS

02 de dezembro de 2011 | 09h03

Segundo esse relato, as autoridades paquistanesas desconheciam a presença dos seus soldados na região bombardeada, que fica na fronteira com o Afeganistão. O incidente, no sábado passado, abriu uma crise entre os dois países, levando o Paquistão a ameaçar pôr fim à sua colaboração com os EUA na "guerra ao terrorismo".

O relato publicado no site do Journal é a primeira explicação detalhada dos EUA a respeito do incidente de "fogo amigo", o mais grave desse tipo em dez anos de guerra na região. De acordo com as fontes, um contingente formado por afegãos e norte-americanos perseguia militantes do Taliban quando foi alvejado a partir de um acampamento localizado na fronteira.

Os soldados dos EUA envolvidos na missão acharam que o ataque partia de militantes, mas na verdade eram soldados paquistaneses que haviam estabelecido um acampamento temporário, contaram as fontes. Os soldados dos EUA teriam então pedido apoio aéreo, e foi estabelecido um contato com o centro conjunto de controle fronteiriço, a fim de determinar se havia militares paquistaneses na região.

O centro de controle fronteiriço tem representantes dos EUA, Afeganistão e Paquistão.

O funcionário que falou ao Journal disse que a operação na região da fronteira não havia sido informada de antemão ao centro, mas que, contatados, os representantes paquistaneses disseram não haver soldados seus operando na região apontada como suposta origem do ataque aos soldados, e que por isso foi dado o aval ao bombardeio.

Washington qualificou o caso como um trágico acidente, prometeu uma investigação plena e ofereceu condolências pelos mortos, mas sem pedir desculpas.

Uma fonte do Journal disse que houve "muitos erros" na operação.

Ainda segundo o Journal, as autoridades dos EUA no passado tinham restrições a notificar os paquistaneses sobre suas operações, temendo que houvesse vazamento das informações.

A reportagem alerta que o relato tem caráter preliminar e se baseia em entrevistas com militares envolvidos. Um relatório mais formal sobre o incidente deve ser concluído por investigadores militares dos EUA até 23 de dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOOTANWSJ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.