Paquistão bane grupo suspeito de ter atacado Mumbai

Acusada de servir de fachada para o Lashkar-i-Taiba (Exército dos Puros) - grupo fundamentalista islâmico que teria perpetrado a onda de ataques a Mumbai -, a rede de caridade Jamat-ud-Dawa foi oficialmente banida do Paquistão e seus líderes, presos. Entre eles está Hafiz Muhammed Saeed, fundador do Lashkar-i-Taiba e chefe da organização de caridade, colocado em prisão domiciliar por três meses. O Banco Central paquistanês anunciou ainda o congelamento de todas as contas do Jamat-ud-Dawa em bancos do país. O patrimônio da organização, porém, não foi divulgado. Ontem, a polícia lacrou todos os escritórios da rede de caridade.Um dia antes do decreto de Islamabad, o Conselho de Segurança da ONU havia declarado formalmente que o Jamat-ud-Dawa está envolvido em atividades terroristas. A medida prevê sanções aos integrantes do grupo, como proibição de viagens e congelamento de bens fora do Paquistão. O Conselho incluiu Saeed e outros quatro membros do grupo na lista de pessoas vinculadas à Al-Qaeda e ao Taleban.ATAQUE AMERICANOOficiais paquistaneses afirmaram ontem que bombardeios americanos no Waziristão, próximo da fronteira com o Afeganistão, deixaram pelo menos sete mortos. A região é conhecida por abrigar militantes da Al-Qaeda e do Taleban.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.