Paquistão concorda em libertar presos do Taliban afegão

O Paquistão concordou em libertar alguns prisioneiros do Taliban afegão que podem ser úteis nos esforços de reconciliação, disseram autoridades de ambos os países nesta quarta-feira, no sinal mais claro de que o governo paquistanês fará pressão no processo de paz afegão.

MEHREEN ZAHRA-MALIK, Reuters

14 de novembro de 2012 | 13h03

Autoridades afegãs, esperançosas de que os contatos diretos com altos comandantes do Taliban possa dar-lhes alavancagem em qualquer negociação de paz com os insurgentes, há muito tempo pediam ao Paquistão por acesso aos prisioneiros.

A tarefa de dinamizar o processo de paz no Afeganistão está ganhando urgência, à medida que as tropas de combate da Otan se preparam para se retirar até o final de 2014.

Alguns afegãos temem que o país possa enfrentar uma guerra civil ou outra tomada de controle pelo Taliban se os insurgentes não forem atraídos para um processo de paz sério.

"O Paquistão enviou-nos uma mensagem muito forte e o Paquistão concordou a princípio em começar a libertar os prisioneiros a partir de hoje", disse à Reuters Abdul Hamid Mubarez, membro do Alto Conselho da Paz do Afeganistão, que está de visita a Islamabad.

Ele não disse quantos prisioneiros seriam libertados, mas previu que a ação ajudaria a avançar o processo de paz.

O Paquistão, com seus laços históricos com grupos militantes afegãos, é visto como crucial para os esforços norte-americanos para pacificar o Afeganistão, talvez o maior desafio de política externa do presidente Barack Obama em seu segundo mandato.

Não está claro por que o Paquistão fez o gesto neste momento, mas o país está sob crescente pressão para apoiar os esforços dos EUA para estabilizar o Afeganistão conforme o jogo final se aproxima.

Um oficial do Exército paquistanês disse que ainda não havia sido decidido se o ex-segundo no comando do Taliban afegão, o mulá Abdul Ghani Baradar, seria libertado.

Autoridades afegãs o identificaram como uma figura que ainda pode impor respeito o suficiente para persuadir os Talibans a buscar a paz, depois de mais de uma década de luta contra as forças afegãs e norte-americanas lideradas pela Otan.

O oficial do Exército paquistanês se negou a dar qualquer informação sobre quem estava para ser libertado, afirmando que os detalhes ainda precisavam ser definidos.

A decisão de libertar os presos foi uma grande conquista para o Alto Conselho da Paz do Afeganistão, que tem se esforçado para aliviar a desconfiança entre os Talibans e o governo de Cabul.

Autoridades afegãs suspeitam que o Paquistão vem segurando membros do Taliban afegão na prisão para reter algum controle sobre os esforços de paz e ter uma palavra em qualquer acordo.

Entre os detidos estão o ex-ministro da Justiça mulá Nooruddin Toorabi e o mulá Jahangirwal, ex-secretário do líder do Taliban mulá Mohammad Omar, e Allahdat Tayab, um ex-vice-ministro, disseram funcionários do Alto Conselho de Paz.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOTALIBANLIBERTAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.