Paquistão decide sobre data da eleição na terça-feira

Autoridades eleitorais do Paquistãovão decidir nesta terça-feira se realizam a eleição de janeiro,mas há uma ampla expectativa de que haverá um adiamento de atédois meses. O país mergulhou em crise após o assassinato dalíder de oposição Benazir Bhutto. O assassinato de Bhutto, num atentado suicida, naquinta-feira, desencadeou um banho de sangue pelo país erevolta contra o presidente Pervez Musharraf, levantandodúvidas sobre a estabilidade do Paquistão -- país que possuiarmas nucleares -- e sobre a transição de poder dos militarespara os civis. As ações paquistanesas caíram 4,7 por cento nestasegunda-feira, sua mais baixa queda em 18 meses, e a moedalocal, a rúpia paquistanesa, chegou a seu nível mais baixo emseis anos, como resultado do temor dos investidores de que ainstabilidade política possa prejudicar a economia. Os mercadoshaviam permanecido fechados durante os três dias de luto porBhutto. "Não há compradores no mercado, somente vendedores", disseShuja Rizvi, diretor de corretagem de ações na Capital OneEquities. País com histórico de promissor para investimentos atémenos de um ano atrás, o Paquistão, aliado dos Estados Unidosna luta contra o terrorismo, está agora tomado pelo temor defuga de capitais se a segurança interna piorar. O número depessoas mortas na violência desde o assassinato de Bhuttochegou a 47. Violência esporádica irrompeu novamente na segunda-feira.Manifestantes dispararam para o ar na cidade de Hyderabad, nosul, e também atiraram pedras contra a polícia e lojas.Vitrines foram danificadas em Nawabshah, onde o viúvo de Bhuttoé aclamado. Lojistas também baixaram as portas no centrofinanceiro de Karachi. Centenas de advogados saíram às ruas empasseata em Multan, no sul, entoando slogans contra opresidente, incluindo "Musharraf, seu assassino". Um ex-dirigente do partido governista disse que a eleiçãoprovavelmente será adiada por até dois meses. O partido deBhutto, o Partido do Povo Paquistanês (PPP), se comprometeu aparticipar e o partido oposicionista liderado peloex-primeiro-ministro Nawaz Sharif também, disse seu presidente,Raja Zafar-ul-Haq. "Não queremos nenhum adiamento", disse a porta-voz do PPP,Farzana Raja, acrescentando que isso iria ajudar os oponentesdo partido. O secretário da Comissão Eleitoral, Kanwar Dilshad,disse que governos provinciais e comissários eleitorais foraminformados de que deveriam apresentar relatórios sobre suasregiões até nesta segunda-feira à noite. Uma decisão sobre adiar a eleição parlamentar, quetransferirá o poder do governo militar para os civis, serátomada nesta terça-feira, disse Dilshad. Bhuto esperava chegar ao poder pela terceira vez na eleiçãode Janeiro, embora analistas previssem uma divisão na disputaentre ela, o partido de Nawaz Sharif e o partido que apóiaMusharraf. (Colaboraram Faisal Aziz, Simon Gardner, Hamid Sheikh,Imtiaz Shah, Sahar Ahmad e Asim Tanveer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.