AP Photo/ Dar Yasin
AP Photo/ Dar Yasin

Paquistão denuncia morte de soldados em confronto com indianos na Caxemira

Soldados paquistaneses teriam trocado tiros com indianos na fronteira da região, disputada pelos dois países

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2019 | 16h54

ISLAMABAD - O Paquistão disse nesta quinta-feira que três de seus soldados foram mortos em uma troca de tiros na fronteira da região disputada da Caxemira, mas a Índia negou que cinco de suas tropas também morreram.

O general Asif Ghafoor, porta-voz das Forças Armadas paquistanesas, tuitou que seus três soldados morreram e cinco indianos também quando forças da Índia abriram fogo ao longo da divisa contestada conhecida como Linha de Controle (LOC).

“Troca de tiros intermitente continua”, disse Ghafoor. Um porta-voz do Exército indiano o desmentiu. “Nenhuma baixa. Esta afirmação está errada”.

Em um comunicado, o Exército indiano disse que, aproximadamente a partir das 7h locais, o Paquistão violou um cessar-fogo entre as duas nações.

O confronto ocorre em um período de grande atrito entre os vizinhos detentores de armas nucleares, iniciado quando a Índia revogou o status especial da porção da Caxemira de maioria muçulmana que controla e enfureceu o Paquistão, que também reivindica a região.

Índia e Paquistão travaram duas guerras por causa da Caxemira, e em fevereiro se envolveram em um conflito aéreo depois que um grupo militante radicado no Paquistão assumiu a autoria de um ataque contra um comboio militar indiano.

Em agosto, o governo da Índia retirou o status especial de sua porção da contestada região da Caxemira. O governo do Paquistão protestou e expulsou o embaixador da Índia no país, e ameaçou suspender o comércio bilateral com seu arquirrival.

Os vizinhos China e Paquistão, que reivindicam partes da Caxemira, expressaram com firmeza suas oposições ao ato da Índia de remover uma provisão constitucional que permitia ao único Estado de maioria muçulmana do país fazer sua própria legislação. 

Índia, que tem armas nucleares, e o Paquistão, que também as tem, já travaram duas guerras por causa da Caxemira e em fevereiro chegarem a se envolver em um conflito aéreo. A Índia combate insurgentes na região há 30 anos e afirma que o status especial impede o desenvolvimento da Caxemira, querendo integrar a região ao resto do país./ REUTERS, AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.