EFE/Oficina de Relaciones Públicas de los Servicios Intermilitares de Pakistán (ISPR)
EFE/Oficina de Relaciones Públicas de los Servicios Intermilitares de Pakistán (ISPR)

Paquistão diz que libertará piloto indiano capturado como 'gesto de paz'

Primeiro-ministro Imran Khan anunciou medida em sessão parlamentar transmitida ao vivo; ele também disse que tentou, sem sucesso, falar com o premiê indiano, Narendra Modi, para evitar escalada militar na região

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2019 | 09h32

ISLAMABAD - O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, afirmou nesta quinta-feira, 28, que seu país libertará o piloto indiano Abhinandan Varthaman - detido na véspera depois que seu caça foi derrubado pelas Forças Aéreas paquistaneses durante um combate aéreo com a Índia - como um "gesto de paz".

"O piloto indiano está sob nossa custódia, o libertaremos amanhã (sexta-feira) como gesto de paz", anunciou o dirigente paquistanês durante uma sessão parlamentar televisada ao vivo.

Khan acrescentou que na quarta-feira tentou sem sucesso falar por telefone com o líder indiano, Narendra Modi, ao considerar que uma escalada de tensão não é do interesse de nenhuma das duas nações vizinhas.

O gesto paquistanês acontece em meio a uma escalada militar sem precedentes nos últimos anos, depois que a Índia assegurou ter bombardeado na terça-feira um acampamento em solo paquistanês do grupo terrorista Jaish-e-Mohammed (JeM).

O JeM reivindicou em 14 de fevereiro um atentado com carro-bomba a um comboio das forças de segurança na Caxemira indiana no qual morreram 42 policiais, o mais sangrento em três décadas de conflito na disputada região.

No entanto, o Executivo de Islamabad mantém que o bombardeio indiano não causou mortes e que as bombas caíram em espaços abertos.

Como resposta, o Paquistão anunciou o abate de dois caças indianos e a captura de um dos pilotos, além do bombardeio através da Linha de Controle (LoC, fronteira de facto em Caxemira) de território indiano sem causar baixas e nem danos.

A Índia, por sua vez, reconheceu a perda de uma aeronave e a captura do piloto, mas afirmou que tinha derrubado um caça paquistanês. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.