Paquistão diz que não permitirá que terroristas usem o país

Em Islamabad, secretária de Estado dos EUA afirma que paquistaneses sabem que devem agir 'urgentemente'

Agências internacionais,

04 de dezembro de 2008 | 07h42

O governo do Paquistão reiterou nesta quinta-feira, 4, sua "determinação" de "não permitir" que seu território seja usado para lançar ataques terroristas, durante uma visita na qual a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, exigiu uma resposta "contundente" e "eficaz", após os atentados na cidade indiana de Mumbai. Rice se reuniu, em Islamabad, com o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, e com o primeiro-ministro, Yousaf Raza Gillani, em um esforço de mediação que começou com contatos com as autoridades da Índia.   Veja também: Suspeito de ataques treinou no Paquistão, diz polícia indiana Brasil aprova venda de mísseis para o Paquistão  Paquistão julgará suspeitos por ataques na Índia   Índia jamais cauterizou as feridas de 1947 Terroristas islâmicos de Mumbai não tinham 'remorso' Assista ao vídeo com cenas dos ataques  Imagens de Mumbai     Rice afirmou que o Paquistão entende a necessidade de uma ação urgente e transparente contra os terroristas em suas fronteiras. "Acredito que o governo paquistanês está focado nas ameaças terroristas e compreende sua responsabilidade em responder ao terror e ao extremismo onde quer que ele seja encontrado", afirmou a secretária de Estado aos repórteres. Ela disse ainda que as discussões de seu encontro com autoridades do país foram focadas nos ataques de Mumbai e na obrigação do Paquistão de "lidar com os que usar o território paquistanês como base, mesmo que eles não sejam ligados ao governo". Os EUA insistem que o Paquistão contenha os militantes Taleban instalados na fronteira com o Afeganistão e que usam o solo paquistanês como base para seus ataques.   Rice chegou a Islamabad um dia depois do chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, almirante Mike Mullen, que pediu ao governo paquistanês uma "investigação agressiva" sobre qualquer possível ligação entre os grupos terroristas baseados no país e os ataques em Mumbai. Segundo o governo indiano, o grupo que atacou Mumbai veio do país vizinho, onde também recebeu Treinamento. A secretária de Estado afirmou, em Nova Délhi, que o Paquistão tem um "papel central" no combate aos grupos terroristas.   O governo dos EUA lançou uma ofensiva para tentar diminuir a crescente tensão entre Índia e Paquistão após os ataques da semana passada em Mumbai (ex-Bombaim). Enquanto a secretária de Estado, Condoleezza Rice, visitou Nova Délhi para discutir a investigação, o chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, almirante Michael Mullen, foi a Islamabad para conversar com autoridades paquistanesas.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoÍndia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.