Paquistão diz que proposta de paz da Índia é "positiva"

O governo do Paquistão afirmou nesta sexta-feira que a oferta de paz apresentada pelo primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, é "positiva" e também pediu que os líderes políticos dos dois países dêem passos "valentes" para alcançar a conciliação. Um comunicado do Ministério de Relações Exteriores paquistanês afirma que "sempre declaramos que a solução da questão da Caxemira tem o potencial para permitir que o Sul da Ásia avance e lute contra a pobreza, a doença e a ignorância". Segundo a porta-voz do ministério, Tasneem Aslam, o presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, qualificou a disputa como grave para toda a região. No entanto, o governante disse que os líderes dos dois Estados terão que dar "passos valentes" para solucionar os conflitos pendentes. "Acreditamos que a declaração reflete muitos sentimentos positivos e um grande reconhecimento da necessidade de avançar sobre a Caxemira e todas as demais questões", disse a porta-voz ao comentar a oferta de paz de Singh. "Também precisamos de sinceridade e flexibilidade para ultrapassar a herança do passado", declarou. Para Aslam, o Paquistão é o centro da atividade econômica e ofereceu corredores de energia para a Índia a partir da Ásia Central e do Irã. "Por causa das realidades e da grande potência não explorada dos povos do Sul da Ásia, o Paquistão sempre insistiu na necessidade de criar confiança e solucionar disputas, especialmente a da Caxemira, o coração dos conflitos, da desconfiança e da hostilidade entre os dois países há tanto tempo". O território, de população muçulmana na sua maioria, é disputado tanto pela Índia como pelo Paquistão desde a divisão dos dois países, em 1947, e continua sendo a maior barreira para a paz. Singh disse nesta sexta-feira que é necessário buscar uma solução "pragmática" para a Caxemira e desvinculou a solução da disputa da normalização das relações entre os dois países, ao contrário do que pensa o Paquistão. Enquanto saía o primeiro ônibus entre a cidade indiana de Amritsar e Nankanasahab, no Paquistão, Singh propôs ao Paquistão a assinatura de um "Tratado de Paz, Segurança e Amizade", como passo final do atual processo de paz em andamento entre os dois países.

Agencia Estado,

24 Março 2006 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.