Paquistão fala em "progressos" no caso de jornalista

A polícia paquistanesa anunciou hoje ter feito "progressos significativos" no caso do seqüestro do jornalista norte-americano Daniel Pearl, crime onde o principal suspeito é um militante islâmico natural da Grã-Bretanha. O suspeito, conhecido como xeque Omar Saeed, chegou a ser preso na Índia pelo seqüestro de três turistas britânicos na Caxemira, mas foi libertado há dois anos em resposta a uma demanda feita por seqüestradores de um avião da Indian Airlines.A polícia do Paquistão acredita agora que Saeed é a figura-chave por trás do seqüestro de Pearl, um repórter de 38 anos do Wall Street Journal visto pela última vez em 23 de janeiro, quando se dirigia para se encontrar com o xeque em um conhecido restaurante de Karachi. O xeque é suspeito de ter ligações com dois grupos extremistas - Jaish-e-Mohammed e Harkat ul-Mujahedeen -, considerados pelos Estados Unidos como organizações terroristas.Apesar de a polícia não ter fornecido nenhum detalhe sobre o progresso das investigações, outras fontes próximas ao inquérito contaram que policiais de Karachi prenderam ontem três homens - identificados apenas como Suleiman, Fawad e Adeel - que teriam enviado e-mails contendo fotografias de Pearl. Pelo menos um dos homens confessou ter recebido os e-mails e as fotografias de Saeed.As mensagens de correio eletrônico, enviadas na semana passada, parecem representar o único contato genuíno com os seqüestradores, disseram as fontes sob condição de anonimato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.