Paquistão fecha rota de suprimentos para tropas no Afeganistão

Passagem é usada para abastecer os militares da aliança dos EUA e ocidentais em combates contra a insurgência

Associated Press,

30 de dezembro de 2008 | 12h07

O Paquistão fechou nesta terça-feira, 30, a rota principal usada pelos Estados Unidos e seus aliados para levar suprimentos para as tropas no Afeganistão após lançar uma nova ofensiva contra os militantes na região. A rota atravessa a passagem de Khyber, palco de ataques de insurgentes que tentam impedir que o apoio logístico chegue para as forças ocidentais que combatem a ressurgência da milícia Taleban no Afeganistão. Estima-se que uns 300 caminhões que transportam suprimentos para as forças aliadas atravessem a passagem de Khyber. Informações da imprensa afirmam que empresas transportadoras se mostraram pouco dispostas a levar a carga por conta do perigo de ataques. Os efetivos dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) posicionados no Afeganistão dependem da rota montanhosa para receber 75% dos combustíveis, alimentos e outros produtos, que chegam ao Paquistão pelo porto de Karachi. Funcionários militares aliados insistem que os ataques não estão afetando suas tarefas no Afeganistão. Fazal Mehmood, um administrador civil em Khyber, afirmou que o Exército paquistanês lançou uma ofensiva contra insurgentes nesta terça-feira de manhã, logo após os militantes ignorarem um ultimato para rendição. "Por conta destas operações, foi suspenso o envio de suprimentos ao Afeganistão, e vice-versa", afirmou. O funcionário não ofereceu detalhes sobre a ofensiva ou o período previsto para a manutenção da suspensão do tráfego. A estrada foi fechada de modo temporário por pelo menos duas ocasiões neste ano por razões de segurança. Os milicianos incendiaram centenas de caminhões que transportavam suprimentos pela passagem nos últimos meses. A Otan afirma que está investigando possíveis rotas de abastecimento ao Afeganistão, por exemplo, pelos países da Ásia Central. Funcionários da aliança militar disseram que o aumento dos ataques e a suspensão do tráfego não está afetando as operações no Afeganistão, em parte por conta dos grandes estoques. As armas de fogo e munições não são transportadas pelo Paquistão.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoPaquistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.