Paquistão interroga sudanês sobre Bin Laden

A polícia do Paquistão está interrogando o sudanês que entregou ao jornalista de uma televisão árabe, em Islamabad, uma mensagem gravada de Osama bin Laden, líder da rede terrorista Al-Qaeda, informa um funcionário dos serviços de segurança paquistaneses. O sudanês trabalhava para a Assembléia Mundial da Juventude Muçulmana, uma organização de caridade com sede na Arábia Saudita. Segundo o funcionário, que pediu para não ser identificado, o escritório da organização beneficente foi invadido, na semana passada, por funcionários da inteligência paquistanesa e agentes americanos do FBI. Ainda não se sabe se, na busca, foi encontrada alguma evidência. Na gravação divulgada em 12 de novembro pela Rede de Televisão Árabe, Bin Laden elogiou os atentados contra um clube noturno na ilha indonésia de Bali, que deixaram quase 200 mortos, e o assalto a um teatro de Moscou, perpetrado por rebeldes chechenos. Em Moscou, os rebeldes fizeram centenas de pessoas como reféns. Dias depois, forças de segurança lançaram gás sedativo no teatro e o ocuparam. Na operação, morreram 129 reféns e 41 rebeldes. O ministério do Interior do Paquistão disse estar intensificando seus esforços para capturar os ativistas vinculados à Al-Qaeda. Agentes dos serviços de inteligência americanos dizem que muitos dirigentes da Al-Qaeda e do Taleban, expulso do Afeganistão, fugiram para o Paquistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.