Paquistão: líderes de protesto se reúnem com governo

Líderes dos protestos que pedem a renúncia do primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, se reuniram pela primeira vez com o governo no final da noite desta quarta-feira, enquanto as manifestações continuaram pela capital Islamabad. No encontro, representantes do partido Pakistan Tehreek-e-Insaf (PTI), do ex-jogador de críquete que se tornou político Imran Khan, entregaram uma lista com seis demandas para autoridades do governo, incluindo a abdicação do premiê.

Estadão Conteúdo

20 de agosto de 2014 | 21h53

Segundo os membros do PTI, as autoridades indicaram que poderiam atender à maioria das exigências, que focavam na reforma eleitoral e na responsabilização de qualquer acusado de fraude nas eleições, mas as partes não conseguiram chegar a um acordo sobre a denúncia de Sharif.

"Nós queremos uma solução em que todos saiam ganhando, não apenas os dois lados envolvidos, mas uma vitória também para o Paquistão", afirmou o ministro do Planejamento, Ahsan Iqbal, um dos membros da equipe de negociadores do governo. "Nós também acreditamos nas reformas eleitorais, para levar o Paquistão no caminho da governança institucional."

As duas partes concordaram em continuar as negociações nesta quinta-feira.

O ex-astro do críquete Imran Khan e o clérigo muçulmano Tahir ul Qadri coordenaram dois protestos separados em Islamabad, com milhares de seus apoiadores reunidos à frente do parlamento. Eles acusam Sharif de fraudar as eleições do ano passado e exigem sua saída do poder. O governo nega que esteja envolvido em qualquer tipo de fraude. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãopolíticareunião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.