Paquistão mata 14 insurgentes em nova ofensiva contra Taleban

Exército investe contra esconderijos rebeldes em Orakzai, na fronteira com o Afeganistão

Efe

24 de março de 2010 | 07h47

ISLAMABAD - As forças de segurança do Paquistão abateram ao menos 14 militantes nesta quarta-feira, 24, depois de bombardear esconderijos dos insurgentes na região de Orakzai, no noroeste do país, perto da fronteira com o Afeganistão.

 

Um dos agentes, Rasheed Khan, disse que os ataques foram realizados por tropas terrestres e por aviões. Segundo ele, um soldado ficou ferido nas operações.

 

Nova ofensiva

 

A ofensiva é parte de uma nova operação iniciada contra esconderijos dos taleban em Orakzai. A área é considerada um novo refúgio fundamentalista, informou segundo informações do governo paquistanês.

 

"Uma ofensiva de curta duração está em andamento desde terça-feira à noite na região de Orakzai. Trata-se de uma ação combinada de forças militares convencionais e do corpo da guarda de fronteiras", explicou um oficial militar.

 

Segundo a fonte, o objetivo da operação são instalações e esconderijos da facção regional do movimento Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP), que reúne diversos grupos taleban paquistaneses.

 

O Exército já combate os insurgentes em outras áreas do noroeste e do conflituoso cinto tribal fronteiriço com o Afeganistão. Os analistas acreditam que Orakzai se tornou nos últimos meses o refúgio de muitos fundamentalistas que fugiram dos combates em regiões próximas.

 

O início da ofensiva coincide com a realização de uma rodada de diálogo estratégico em Washington entre EUA e Paquistão. As delegações estão lideradas pela secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e o ministro de Exteriores do Paquistão, Shah Mehmood Qureshi, mas também contam com a presença de comandantes militares, incluindo os chefes do Exército, Ashfaq Kiyani, e dos serviços secretos (ISI), Ahmed Shuja Pasha.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanofensiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.