Paquistão: Militar visita governo, após rumor de golpe

O chefe das Forças Armadas do Paquistão, Ashfaq Pervez Kayani, fez uma visita hoje ao presidente do país, Asif Ali Zardari, num encontro que pode sinalizar uma conciliação entre ambos os lados depois de uma semana de crescente tensão e rumores de um golpe de estado. Ambos os líderes discutiram "a atual situação da segurança" do país, de acordo com a agência estatal de notícias.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2012 | 19h17

O atrito entre os militares e o governo civil aumentou depois que um memorando não assinado foi enviado a Washington no ano passado, pedindo ajuda dos EUA para um suposto golpe. A nota enraiveceu o Exército, que ainda não tinha se recuperado do humilhante ataque norte-americano a uma localidade ao norte de Islamabad, que terminou na morte de Osama bin Laden. O governo de Zardari elogiou o encontro de hoje e disse que ajudará nas relações com as Forças Armadas.

O presidente da secretaria de informação do governo, Qamar Zaman Kaira, disse que não foi uma reunião de rotina, "dada a situação do Paquistão, do calor que está sendo sentido." Ele disse à TV paquistanesa que "certamente essa reunião tornará as coisas melhores... Melhorará a tensão". Nas seis décadas de história do Paquistão, as Forças Armadas empreenderam três golpes e ainda se consideram as guardiãs dos interesses do país.

O Paquistão, uma potência nuclear, enfrenta uma série de problemas, como o colapso econômico, insurgentes da Al-Qaeda e do Taleban, e uma crise diplomática com seu principal aliado, os Estados Unidos, depois que a força aérea americana matou 24 soldados paquistaneses na fronteira com o Afeganistão. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãocrisetensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.