Paquistão nega cumplicidade e incompetência em caso Bin Laden

O premiê paquistanês, Yusuf Raza Gilani, rejeitou nesta segunda-feira alegações de que a morte de Osama bin Laden por tropas norte-americanas no Paquistão revelavam a incompetência do país ou sua cumplicidade em esconder o líder da Al Qaeda.

REUTERS

09 de maio de 2011 | 11h15

"Alegações de cumplicidade e incompetência são absurdas", disse Gilani ao Parlamento, acrescentando ser indigno para qualquer um acusar o Paquistão de "estar cooperando" com a rede Al Qaeda.

Gilani disse que ações unilaterais, como o ataque realizado pelas forças especiais da Marinha norte-americana contra o refúgio de Bin Laden, corriam o risco de provocar graves consequências, mas acrescentou que o Paquistão reconhecia a alta importância de sua relação com Washington.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOBINLADEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.