Paquistão nega morte de terrorista; população protesta

Duas altas autoridades paquistanesas negaram que Ayman al-Zawahri, o braço direito de Osama bin Laden, estivesse no local atingido ontem por um bombardeio americano, dentro do país. As autoridades, que pediram para não ter os nomes revelados, disseram que uma investigação realizada pelo Paquistão concluiu que Al-Zawahri não estava na vila de Damadola, onde o ataque americano deixou 17 mortos."A informação está errada, nossa investigação concluiu que eles agiram com base em falsa informação", disse um alto funcionário da espionagem paquistanesa. Em uma entrevista em separado, uma importante figura do governo também declarou que o segundo em comando da Al-Qaeda não estava nas casas demolidas pelo ataque. O governo paquistanês deverá fazer um comentário oficial sobre o bombardeio de Damadola, que gerou um protesto de mais de 8.000 pessoas contra a ação americana, ainda hoje.A manifestação, que foi pacífica, ocorreu em Inayat Qala, a seis quilômetros de Damadola. Um político local, Sahibzada Haroon ur Rashid, disse que todos os mortos eram moradores do local e condenou o bombardeio como um ato de "terrorismo claro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.