Paquistão nega ter atendido Bin Laden em hospital

O governo do Paquistão negou a informação divulgada pela televisão norte-americana de que o terrorista saudita Osama bin Laden teria sido atendido em um hospital militar na cidade paquistanesa de Rawalpindi, dois dias antes dos atentados de 11 de setembro nos EUA. "Nunca ouvi nem vi nenhum informe de que Bin Laden tenha estado no Paquistão", afirmou hoje o porta-voz presidencial, general Rashid Qureshi. Citando fontes anônimas de inteligência e empregados do hospital, a cadeia de televisão CBS informou que Osama bin Laden recebeu tratamento de diálise por parte de "urologistas secretos" em um hospital militar paquistanês. A TV norte-americana indicou que um assistente do hospital assegurou ter reconhecido Bin Laden como paciente, após ver sua fotografia na televisão associada aos atentados de 11 de setembro. Qureshi, que qualificou a história como "uma invenção" perguntou como o Paquistão pode ter "urologistas secretos" que atendam pacientes secretamente em dois hospitais militares em Rawalpindi. "Infelizmente, todas as investigações nos levam diretamente a Nova Délhi", disse o militar paquistanês, assegurando que as versões que chegaram aos EUA vieram do país vizinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.