Paquistão pede a EUA ajuda na disputa da Caxemira

O Paquistão pediu hoje ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que intervenha na longa disputa com a Índia sobre a região Himalaia da Caxemira, que já foi a causa de duas guerras entre os dois rivais. O ministro de Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mahmood Qureshi, fez o apelo incomum, pedindo que Obama busque uma solução sobre a disputa quando ele visitar o país no mês que vem, dizendo que ele deve "cumprir a promessa" feita quando ele ainda era candidato.

AE-AP, Agência Estado

22 de outubro de 2010 | 17h39

O conflito sobre a Caxemira tem sido a principal fonte de atrito ente a Índia e o Paquistão desde que conquistaram a independência da Grã-Bretanha, em 1947. O Paquistão costuma buscar intervenção externa para resolver a questão, mas a Índia se opõe a esse tipo de atuação e os Estados Unidos tradicionalmente se mantêm longe da disputa.

A Caxemira é o único Estado da Índia onde a maioria da população é muçulmana. Há vários meses, a população local mantém uma série de protestos contra o governo de Nova Délhi e 111 pessoas, a maioria civis, já foram mortas. Ontem, forças da Índia mataram dois supostos insurgentes em um tiroteio de nove horas no vilarejo de Maloora, perto da capital estadual Srinagar. Hoje, os civis de Maloora mostraram à imprensa a destruição provocada pela batalha de ontem. Desde 1989 a maioria da população da Caxemira indiana quer se separar do resto do país e se unir ao Paquistão.

Qureshi, que fez a declaração ao lado da secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton, no encerramento dos três dias de conversações Paquistão-Estados Unidos, disse que Obama precisa se envolver porque na questão porque medidas contra supostos militantes muçulmanos na Caxemira controlada pela Índia ameaçam toda a região.

"É do interesse estratégico dos Estados Unidos trabalhar pela paz, estabilidade e resolução das disputas no Sul da Ásia", disse ele. "O presidente Obama sempre entendeu a importância da solução da questão da Caxemira", disse Qureshi. "Sua visita à região é o momento para iniciar o cumprimento da promessa que ele fez anteriormente".

Como candidato presidencial, em 2008, Obama sugeriu que os Estados Unidos deveriam encorajar a Índia e o Paquistão a resolverem a disputa sobre a Caxemira, para que o Paquistão pudesse se concentrar mais no combate aos extremistas em seu próprio território e no Afeganistão. Embora ele não defenda a mediação direta, suas declarações foram recebidas com desdém na Índia. Obama não vai visitar o Paquistão em sua próxima viagem, mas planeja passar vários dias na Índia, que enfrenta violentos protestos contra o país na Caxemira desde junho.

A Índia e o Paquistão entraram em guerra duas vezes pelo controle da Caxemira. Mais de 68 mil pessoas, a maioria delas civis, morreram na região desde que os confrontos começaram, em 1989.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.