AP
AP

Paquistão permite saída de civis de zona de combate

Suspensão de toque de recolher causa fuga em massa; ONU afirma que 1,4 milhão foram desalojados

Agências internacionais,

15 de maio de 2009 | 11h46

O Exército paquistanês suspendeu parcialmente nesta sexta-feira, 15, o toque de recolher na capital do distrito do Vale do Swat, onde o Exército promove a ofensiva contra as milícias taleban, para permitir a saída de civis. Milhares de pessoas escaparam dos confrontos travados na região da fronteira com o Afeganistão, em um deslocamento em massa que já atingiu cerca de 900 mil indivíduos, segundo a ONU.

 

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) calculou em mais de 900 mil o número de pessoas que foram registradas oficialmente desde 2 de maio. Somando com o numero de deslocados que deixou a região desde agosto do ano passado, os refugiados por conta dos conflitos chegam a 1,4 milhão.

 

O toque de recolher foi suspenso entre as 6h e 14h (22h e 6h de Brasília) em várias localidades da divisão de Malakand, que inclui o distrito de Swat. A suspensão do toque de recolher também foi efetivada na área de Maidan, situada no distrito vizinho de Dir, onde o Exército realiza uma ofensiva contra a insurgência. As autoridades pediram à população que deixe seus lares caso morem nas áreas de Aligarama, Hazara e Gül Jabba, e o governo transferiu 150 veículos à área de Bilugaram para retirar os deslocados pelos combates.

 

O Exército afirmou nesta sexta-feira que 55 insurgentes foram mortos nos confrontos. Os militares disseram ainda que os taleban estão raspando as barbas e cortando os cabelos para fugir misturados aos civis que estão deixando a região e pediram para que a população informe as forças de segurança sobre qualquer militantes infiltrado, oferecendo até um número telefônico para informações anônimas. Uma nota do Exército afirmou ainda que os milicianos lançaram um contra-ataque, matando três soldados paquistaneses e ferindo outros 11 nas últimas 24 horas.

 

Segundo a BBC, a ONU afirma que 830 mil pessoas deixaram suas casas fugindo dos confrontos no mês passado. O número total de pessoas que foram internamente deslocadas no Paquistão nos últimos 12 meses subiu para 1,3 milhão. Destas, cerca de 80 mil pessoas estão morando em campos administrados pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados, baseado na cidade de Mardan.

 

O Exército continua evitando entrar em combate direto com militantes do Taleban nas ruas da cidade. Mais de 15 mil soldados foram enviadas ao vale Swat e para outras regiões vizinhas. Elas estão enfrentando cerca de 5 mil militantes.

 

A ofensiva do Exército paquistanês começou no mês passado. Em fevereiro, o governo havia fechado um acordo de paz com o Taleban na região, permitindo inclusive a aplicação da Sharia - a lei islâmica. O acordo foi criticado pelo governo americano na ocasião. Mas os militantes taleban expandiram sua atuação para áreas vizinhas, e o governo decidiu pôr fim ao acordo de paz.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.