Paquistão pode pedir extradição de militante de Mumbai

O Paquistão pode pedir à Índia a custódia do único militante que sobreviveu durante os ataques a Mumbai, com o objetivo de endurecer os processos jurídicos sobre aqueles que participaram da ação, afirmou neste sábado uma importante autoridade do Ministério do Interior do Paquistão. Islamabad reconheceu nesta semana, pela primeira vez, que os ataques de novembro na capital financeira da Índia foram lançados e parcialmente planejados no Paquistão. Investigadores paquistaneses apresentaram uma queixa policial contra oito suspeitos, incluindo Mohammad Ajmal Kasab, um militante paquistanês capturado vivo por forças indianas durante o ataque que causou a morte de pelo menos 179 pessoas entre os dias de 26 e 28 de novembro. Nove agressores foram mortos durante a operação. "Se os investigadores recomendaram isso e a corte pediu isso a eles, então definitivamente o faremos", afirmou Rehman Malik, assessor do primeiro-ministro no interior, a repórteres quando perguntado se o Paquistão pediria a custódia de Kasab. "É prematuro, mas quando o nome de uma pessoa aparece (em uma queixa policial), ela é necessária no caso. Faremos isso quando os nossos investigadores acharem que ele é necessário aqui", disse. O Paquistão diz que seis de oito suspeitos, incluindo um mentor, estão presos, enquanto dois estão foragidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.