Paquistão precisa de mais segurança nuclear, diz ElBaradei

O chefe da agência nuclear da Organizaçãodas Nações Unidas (ONU) acha que é necessário aumentar asegurança nuclear do Paquistão e dos países onde houveratividade atômica, disse um assessor na quinta-feira. O Paquistão rebateu na quarta-feira declarações do chefe daAgência Internacional de Energia Atômica (AIEA), MohamedElBaradei, de que seu arsenal nuclear possa cair nas mãos demilitantes islâmicos. O país chamou as afirmações de irresponsáveis. Numa declaração, a porta-voz da AIEA, Melissa Fleming,disse que a missão central da agência é monitorar de pertosituações que possam pôr em risco a segurança nuclear. "A manifestação de preocupação do doutor ElBaradei sobre aspossíveis ramificações da violência política e de extremismo noOriente Médio e com a segurança nuclear no Paquistão tem aintenção de chamar a atenção para a necessidade de reforçar asegurança nuclear e medidas de segurança não apenas noPaquistão, mas também em todos os locais do mundo onde existemmateriais ou instalações nucleares", disse ela. As declarações de ElBaradei, numa entrevista ao jornalAl-Hayat, refletiram o temor de especialistas e políticosnorte-americanos sobre a violência militante e a turbulênciapolítica que abalam o governo do presidente Pervez Musharraf. O Paquistão é um aliado essencial na campanhanorte-americana contra o terrorismo. Mas a instabilidade vemcrescendo no país, especialmente depois do assassinato da líderda oposição Benazir Bhutto, no mês passado. "Temo que o caos... ou um regime extremista possam criarraízes naquele país, que possui de 30 a 40 ogivas", disseElBaradei na entrevista. Segundo outras estimativas o paíspossui até 60 ogivas. Autoridades militares e da Defesa dos EUA afirmam que asarmas estão seguras sob o controle do governo paquistanês. (Reportagem de Mark Heinrich)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.