Paquistão prende 23 estrangeiros na fronteira

Soldados paquistaneses prenderam 23 combatentes estrangeiros que tentavam atravessar a fronteira a partir do Afeganistão, afirmaram nesta segunda-feira funcionários do Ministério do Interior. As prisões foram feitas ao longo de três dias, a partir do último sábado. Elas tiveram lugar nas regiões tribais do sudoeste, onde a segurança foi reforçada, enquanto soldados da coalizão liderada pelos Estados Unidos bombardeavam e faziam buscas na zona rural perto de Khost, à procura de combatentes da Al-Qaeda que ainda estão escondidos na região. Cerca de 40 mil soldados paquistaneses estão vigiando a fronteira com o Afeganistão, apesar do aumento das forças de segurança ao longo da fronteira ocidental com a Índia, na disputada região da Caxemira. Pelo menos 350 membros da Al-Qaeda, incluindo mais de 300 árabes, foram presos no Paquistão, depois de atravessar a fronteira, a maioria dos quais enquanto fugia dos combates na região de Tora Bora, no Afeganistão. Cerca de 57 deles estão detidos e passam por interrogatórios na cidade paquistanesa de Kohat, no sudoeste do país. Entre eles há 15 combatentes provenientes da Arábia Saudita, 17 do Iêmen, quatro do Kuwait, seis do Marrocos, um do Iraque, dois da França e um de Bangladesh. "Nossos soldados estão atentos e nenhum combatente estrangeiro teria permissão de entrar nas regiões controladas pelas tribos paquistanesas", afirmou o ministro do Interior Moinuddin Haider. Leia o especial

Agencia Estado,

07 Janeiro 2002 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.