Paquistão prende mais dois pela morte de Benazir Bhutto

Anúncio da detenção dos suspeitos é feito no 40.º e último dia de luto pelo assassinato da ex-primeira-ministra

Reuters,

07 de fevereiro de 2008 | 08h50

A polícia paquistanesa deteve mais dois suspeitos ligados ao assassinato da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, segundo afirmou o Ministro do Interior Hamid Nawaz nesta quinta-feira, 7. As prisões foram confirmadas no 40.º e último dia de luto por sua morte. Benazir foi assassinada em um ataque a tiros e bomba em 27 de dezembro enquanto participava de um comício para as eleições parlamentares na cidade de Rawalpindi. "Agora, posso apenas afirmar que duas pessoas foram presas pela ligação com o incidente", disse Nawaz. No mês de janeiro, autoridades detiveram o jovem Aitezaz Shah, de 15 anos, que admitiu dar respaldo ao grupo suicida responsável pela ação que matou Benazir. Shan e seu instrutor Sher Zaman foram capturados nas proximidades da cidade de Dera Ismail Khan. O governo culpa Baitullah Mehsud e a rede Al-Qaeda pela morte da ex-premiê paquistanesa. Mehsud, de 34 anos, é um líder tribal na região conturbada de Waziristão, no sul do Paquistão, na fronteira com o Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
Benazir BhuttoPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.