Paquistão prende mentor de ataque a Mumbai

Líder do grupo radical islâmico Lashkar-i-Taiba é detido em ofensiva contra campo de treinamento na Caxemira

AP, REUTERS E WASHINGTON POST, O Estadao de S.Paulo

09 de dezembro de 2008 | 00h00

Sob forte pressão da Índia, o Paquistão anunciou ontem a prisão do suposto mentor da série de ataques do dia 26 em Mumbai. Zaki-ur-Rehman Lakhvi - um dos líderes da organização radical islâmica Lashkar-i-Taiba - e outros 21 militantes foram capturados no domingo, durante uma incursão do Exército em um campo de treinamento perto de Muzaffarabad, maior cidade da Caxemira paquistanesa.Segundo testemunhas, primeiro helicópteros dispararam contra o campo e, em seguida, forças terrestres lançaram um violento assalto contra os militantes. A ação é a primeira resposta do Paquistão à pressão da Índia e dos EUA para que Islamabad feche o cerco aos responsáveis pelos três dias de terror na capital financeira indiana, que deixaram 173 mortos. Sem confirmar a prisão de Lakhvi, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Sean McCormack, disse que a operação do Paquistão é um "passo positivo".Nova Délhi afirma que todos os terroristas que atacaram Mumbai eram paquistaneses e exige a extradição dos acusados que se encontram no país vizinho. No entanto, o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari - que na semana passada defendeu o julgamento dos suspeitos no Paquistão -, não se pronunciou sobre destino do líder terrorista. Não há acordos de extradição entre Islamabad e Nova Délhi.A informação de que Lakhvi foi o mentor dos ataques em Mumbai foi dada durante interrogatório pelo único terrorista que sobreviveu aos atentados, Ajmal Amir Kasab. Lakhvi teria recrutado os militantes.Em maio, o Departamento de Estado dos EUA publicou um documento no qual Lakhvi é apontado como ex-chefe de operações do Lashkar-i-Taiba na Chechênia, Bósnia e Sudeste Asiático. Ainda segundo a diplomacia americana, a organização tem ligações com a Al-Qaeda e enviou, em 2004, militantes e recursos ao Iraque em apoio aos grupos insurgentes que lutavam contra os EUA.QUEIMA DE SUPRIMENTOSAinda ontem, militantes paquistaneses em Peshawar incendiaram dezenas de contêineres que armazenavam suprimentos destinados à Otan no Afeganistão. No domingo, eles atearam fogo em cerca de cem caminhões da aliança atlântica na mesma cidade, próxima da fronteira afegã.A rota que sai de Peshawar e segue até Torkham, no Afeganistão, é considerada a principal linha de suprimento das forças da coalizão lideradas pelos EUA. Mas o Pentágono qualificou ontem os ataques de "insignificantes". Em comunicado divulgado ontem pela internet, o líder do Taleban, mulá Omar, afirmou que a violência aumentará proporcionalmente ao reforço militar dos EUA no Afeganistão - uma das promessas de campanha do presidente eleito Barack Obama. "As baixas (da Otan) passarão de centenas para milhares", advertiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.