Paquistão prende suposto seqüestrador de jornalista

O xeque Mubarak Ali Gilani, um clérigo muçulmano considerado o primeiro suspeito no seqüestro do jornalista do Wall Street Journal Daniel Pear, foi detido hoje, informaram autoridades paquistanesas. Pearl estava tentando agendar uma entrevista com Gilani, que é líder do Movimento Nacional para a Restauração do Paquistão, um pequeno grupo fundamentalista muçulmano, quando desapareceu no último dia 23. O grupo de Gilani assumiu o seqüestro através de mensagens enviadas por e-mail, que incluíam uma lista de exigência, tais como um bom tratamento aos paquistaneses que estão sendo mantidos presos com terroristas na base da marinha norte-americana de Guantánamo, Cuba. Em Nova York, frustrado por dois dias de silêncio desde que soube que o jornalista havia sido seqüestrado, o jornal apelou por e-mail a seus captores para libertá-lo. Numa mensagem de seis parágrafos, o editor-executivo Paul Steiger disse que Pearl é um jornalista profissional "no Paquistão para oferecer uma cobertura objetiva dos eventos atuais", e rejeitou a acusação dos seqüestradores de que ele trabalhava secretamente para a CIA. "Danny Pearl não tem capacidade de mudar as políticas do governo dos EUA ou do governo do Paquistão", argumentou Steiger. "Desta forma, peço que libertem Danny para que ele possa retornar para casa para sua mulher e seu filho que nascerá em breve". A mensagem foi transmitida para o endereço eletrônico de onde no fim de semana foram enviados vários e-mails para organizações de notícias dos EUA confirmando que Pearl havia sido feito refém quatro dias antes. Foram incluídas nas mensagens fotos de Pearl em custódia, uma mostrando-o com um revólver encostado em sua cabeça, e uma lista de exigências, entre elas o melhor tratamento de paquistaneses mantidos com outros supostos terroristas pelas autoridades americanas na base da baía de Guantánamo. Usando um serviço grátis de e-mail, o grupo se identificou como o Movimento Nacional pela Restauração da Soberania Paquistanesa. Mas autoridades do Paquistão acreditam que Pearl esteja sendo mantido por uma facção radical islâmica vinculada à rede terrorista Al-Qaeda. Steiger afirmou na mensagem que estava "ansioso por ouvir alguma coisa de vocês sobre o assunto para que possamos coordenar a libertação oportuna e em segurança de Danny. Encorajo vocês a se corresponderem comigo através deste endereço eletrônico". A mulher de Pearl, Mariane, uma jornalista free-lance francesa está grávida de seis meses. O repórter de 38 anos desapareceu na cidade portuária de Karachi depois de ter marcado uma entrevista com o líder de uma organização radical islâmica ligada à Al-Qaeda. Autoridades norte-americanas, incluindo a CIA, negam categoricamente qualquer conexão com Pearl, o correspondente-chefe do Journal em Bombaim, Índia. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.