Paquistão quer desmilitarização de Cabul

O governo do Paquistão disse que não quer que a Aliança do Norte assuma o controle de Cabul e pediu para que a cidade seja desmilitarizada pelas forças de manutenção da paz das Nações Unidas, disse Aziz Ahmed Khan, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, em entrevista em Islamabad. Ele acrescentou que a guerra no Afeganistão deveria ser suspensa para permitir o estabelecimento de um governo multiétnico, com representação de todos os grupos afegãos e conduzido pelas Nações Unidas.Várias autoridades se manifestaram contrárias à precipitada entrada da Aliança do Norte em Cabul, sem adiantamento nas discussões sobre como será o controle do país após a queda do Taleban. O presidente George W. Bush e o presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, pediram recentemente às forças de oposição para que evitassem entrar em Cabul até que um governo amplo pudesse ser formado para substituir o Taleban.Hamid Sigid, assessor do ex-rei do Afeganistão, Mohammad Zaher Shah, afirmou esta manhã que a Aliança do Norte quebrou compromisso assumido com o rei em encontro mantido em Roma no mês passado. O porta-voz paquistanês disse que seu país, que ainda reconhece o Taleban, não tomou decisão sobre o fechamento ou não da embaixada da milícia em Islamabad, uma vez que a situação ainda é volátil.Sobre a eventual participação do Taleban no futuro governo, Khan disse: "nós apoiamos um governo amplo, em que todos os partidos afegãos devem tomar parte" nas discussões políticas. Khan não respondeu a questões sobre se o Paquistão sentia-se traído pelo fato dos EUA terem permitido a tomada de controle da capital Cabul pela Aliança do Norte.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.