Paquistão quer ''posição comum'' na guerra ao terrorismo

Islamabad - O recém-empossado primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani, disse ontem que a comunidade internacional "deve fazer mais" para "desenvolver uma posição comum" na luta contra o terror. Ele fez a afirmação ao receber o subsecretário de Estado dos EUA, John Negroponte, e o secretário-adjunto Richard Boucher. Gillani acrescentou que considera as relações com os EUA "uma prioridade", numa tentativa de acalmar os enviados americanos. Na terça-feira, o primeiro-ministro disse por telefone ao presidente americano, George W. Bush, que Islamabad vai "repensar" a política de "guerra ao terror" usada até agora para para combater os grupos insurgentes que atuam principalmente na fronteira com o Afeganistão. Ainda ontem, em conversa telefônica com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Gillani pediu que a organização investigue o assassinato da ex-premiê Benazir Bhutto, ocorrido em dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.