Paquistão reconstrói cabeça destroçada de suposto assassino

Investigadores doPaquistão reconstruíram na sexta-feira a cabeça despedaçada deum homem em meio a esforços para identificar o responsável pelamorte da líder oposicionista Benazir Bhutto, vítima de umataque suicida. A ex-primeira-ministra foi morta em uma ação realizada comdisparos de arma de fogo e explosivos ao sair de um comício nacidade de Rawalpindi, na quinta-feira. O atentado joga oPaquistão, um país detentor de bombas atômicas, em uma daspiores crises em 60 anos de história. "Recuperamos uma cabeça e ela foi reconstruída. Tambémencontramos os dedos e estamos realizando exames de DNA parafazermos comparações da cabeça com os dedos", afirmou SaudAziz, chefe de polícia de Rawalpindi, localizada perto deIslamabad. Um homem atirou contra Bhutto quando ela acenava parasimpatizantes do teto solar de seu carro blindado. Ele entãodetonou os explosivos que trazia junto a si. Bhutto morreu devido aos tiros recebidos na cabeça e nopescoço, afirmou um membro das forças de segurança. A explosãomatou outras 17 pessoas. Um repórter da Reuters presente na cena depois do ataqueviu um pedaço da cabeça, incluindo uma orelha chamuscada emetade de um rosto. A polícia isolou a área. Segundo Aziz, amostras de material tinham sido tiradas dolocal para a realização de testes capazes de determinar quetipo de explosivo havia sido usado. Apesar de o chefe de polícia ter se recusado a fazerespeculações sobre os responsáveis pelo assassinato, a açãoapresentava todas as características dos atentados realizadospor militantes islâmicos que tentam desestabilizar o governo dopresidente Pervez Musharraf, um aliado dos EUA. Musharraf sobreviveu a dois atentados a bomba em 2003. Umhomem-bomba tentou matar o ex-primeiro-ministro Shaukat Aziz em2004. E o ministro do Interior demissionário, Aftab Ahmed KhanSherpao, sobreviveu neste ano a dois ataques suicidas quemataram quase 70 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.