Paquistão retira milhares de isolados pelas enchentes

Soldados paquistaneses usaram helicópteros e barcos para retirar milhares de pessoas ilhadas nas planícies do país, onde as enchentes causadas pelas monções atingiram diversas vilas nesta quinta-feira, afirmaram autoridades. Na vizinha Índia, o Exército enviou alimentos para centenas de milhares de moradores das regiões indianas da Caxemira, também atingidas pelas inundações. Autoridades da Índia e do Paquistão informam que o número de mortos nos dois países chega a 461.

Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2014 | 14h41

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, visitou a porção da Caxemira controlada por seu país nesta quinta-feira e afirmou às vítimas do alagamento que o governo faria o possível para reconstruir suas casas. "Eu estou aflito com as mortes causada pela enchente", ele disse em um discurso transmitido pela televisão.

O porta-voz da Autoridade Paquistanesa para a Gestão de Desastres Naturais Ahmad Kamal informou que 261 pessoas foram mortas e outras 482 ficaram feridas no país. "A situação ainda é alarmante e as águas da inundação chegaram às planícies do distrito de Jhang, alagando mais vilarejos e afetando milhares", ele contou.

O Exército disse estar expandindo as operações de ajuda humanitária em Punjab, onde o rio Chenab transbordou. Soldados em helicópteros e barcos retiraram mais de quatro mil pessoas de Jhang, informaram os oficiais. Kamal alertou que as enchentes deveriam chegar à província sulista de Sindh ainda no final desta semana.

Os alagamentos relâmpago destruíram plantações, danificaram dezenas de milhares de casas e afetaram mais de um milhão de pessoas desde o dia 3 de setembro, quando as chuvas fortes da época de monções atingiram a cidade de Punjab, no leste do Paquistão e a região da Caxemira, disputada entre os dois países.

Na Índia, o chefe da Força Nacional para Resposta a Desastres, Sandeep Rai Rathore, disse nesta quinta-feira que 80 aeronaves e helicópteros do Exército e da Força Aérea levavam água potável, biscoitos, comida de bebê e cestas básicas para centenas de milhares de pessoas ilhadas na porção da Caxemira controlada pelo país. Autoridades informam que mais de 200 pessoas morreram na região.

Com as inundações retrocedendo em algumas partes do território, as autoridades se preparam para lidar com a propagação de doenças transmitidas pela água, como a diarreia. Oito equipes de médicos militares já operam na região e têm tratado mais de 10 mil pacientes. Suprimentos de ajuda humanitária, incluindo dois mil lençóis, cobertores e cabanas para hospitais, água potável e comida pronta, estão sendo enviados para a área, disse o governo indiano em um depoimento.

Em Srinagar, a principal cidade da Caxemira indiana, a maioria dos hospitais e das clínicas públicas estavam inundadas e incapazes de tratar pacientes. Rathore afirmou que a água estava retrocedendo devagar na cidade após chegar ao auge de 6,5 metros em alguns lugares no começo da semana. Ele disse que as vítimas das enchentes pediam comida e água potável, e alguns estavam tão nervosos que chegaram a lançar pedras contra socorristas. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ÍndiaPaquistãoenchentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.