Paquistão retoma controle de Mingora, no Vale do Swat

O exército do Paquistão retomou o controle do Taleban da maior cidade no Vale do Swat, refletindo o acirramento da pressão contra os militantes do grupo na região nordeste do país, disse um porta-voz do Exército do Paquistão neste sábado. Forças do governo têm controle total de Mingora, embora ainda enfrentem focos de resistência nos arredores da cidade, disse o major-gerenal Athar Abbas à agência Associated Press.

AE-AP, Agencia Estado

30 de maio de 2009 | 10h34

O exército empenhou-se em uma grande ofensiva há um mês no Vale do Swat e nos arredores, para expulsar militantes talebans que vinham expandindo controle na região nordeste do país, próximo à fronteira do Afeganistão.

A campanha do exército paquistanês tem apoio de Washington e de outros aliados ocidentais, que a consideram um teste crucial ao governo na luta contra o extremismo no Paquistão. "Na cidade de Mingora, as forças de segurança assumiram o controle", disse Abbas. "Ainda há focos de resistência, que estão na periferia da cidade de Mingora".

O exército tem avançado no Vale do Swat, realizando bombardeios aéreos e empenhando-se em buscas de casa em casa de militantes do Taleban. O combate já levou mais de 2 milhões de pessoas a fugir da região.

A Taleban tem advertido que provocará atentados terroristas nas cidades paquistanesas em retaliação à campanha e assumiu a responsabilidade pela explosão de um carro-bomba na quarta-feira em Lahore, que matou pelo menos 30 pessoas. No dia seguinte, três explosões mataram 14 pessoas em outras duas cidades no nordeste do Paquistão.

O exército diz que mais de 1,1 mil militantes do Taleban e dezenas de tropas foram mortos na ofensiva no Vale do Swat, enquanto as mortes entre civis foram mínimas. A contagem de mortos e a extensão da destruição são desconhecidos, porque a imprensa está impedida de viajar para a região. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.