Paquistão sabia de contrabando nuclear, diz fonte

O "pai" da bomba atômica do Paquistão, Abdul Qadir Khan, disse a investigadores que forneceu tecnologia de armas nucleares a outros países com amplo conhecimento de altos funcionários do Exército, entre eles o atual presidente, general Pervez Musharraf, informou um amigo do cientista, que pediu o anonimato.O amigo de Khan disse à Associated Press que o cientista declarou não ter violado as leis do Paquistão ao fornecer "centrífugas fora de uso" e outros equipamentos ao Irã, Coréia do Norte e outros países, já que foi com o conhecimento dos chefes. "Estou convencido de que ele (Khan) não podia ter agido unilateralmente", disse o amigo.Um porta-voz militar, general Shaukat Sultan, negou que Musharraf tivesse conhecimento de qualquer transferência de tecnologia nuclear ou autorizasse Khan a fazê-lo. Musharraf não esteve envolvido, assegurou. "Nada do gênero aconteceu desde que ele tomou o poder em 1999."Os militares negaram que a venda de tecnologia tenha prosseguido após 2000. Eles desmentiram reportagem de The New York Times que citou funcionários americanos, dizendo que a ajuda nuclear à Coréia do Norte foi fornecida até 2002 e à Líbia até 2003, acusação embaraçosa para Musharraf, aliado dos EUA na guerra contra o terror.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.