Paquistão suspende apoio a Otan após ataque deixar 28 mortos

Helicópteros da Otan atacaram uma base militar ao noroeste do Paquistão no sábado, matando 28 soldados e fazendo com que o país fechasse rotas vitais de apoio às tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte lutando no Afeganistão, disseram autoridades paquistanesas.

Reuters,

26 de novembro de 2011 | 09h30

O ataque é o pior incidente do tipo desde que o Paquistão se aliou a Washington imediatamente após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos.

E acontece em um momento em que as relações entre os EUA e o Paquistão já estão estremecidas seguindo a morte do líder da al Qaeda Osama bin Lader por forças especiais norte-americanas em uma operação secreta na cidade de Abbottabad em maio.

O gabinete de Relações Exteriores condenou o ataque deste sábado.

O comandante da Otan que lidera as forças no Afeganistão, general John R. Allen, disse que ofereceu suas condolências a qualquer soldado paquistanês "que possa ter morrido ou ficado ferido" durante o "incidente" na fronteira.

Um porta-voz da Otan se recusou a fornecer comentários adicionais sobre as circunstâncias do que foi chamado de acidente e disse que uma investigação está em curso.

Embora não houvesse clareza sobre mortos e feridos, duas fontes militares disseram que 28 soldados foram mortos e 11 ficaram feridos no ataque à base Salala, que fica a cerca de 2,5 quilômetros da fronteira com o Afeganistão.

(Por Shams Momand)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOATAQUEOTAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.