Paquistão testa míssil nuclear

O Paquistão testou nesta quinta-feira com sucesso um míssil nuclear. Ghauri, como foi batizado, tem um alcance de até 1.300 quilômetros. Segundo a porta-voz paquistanesa do Ministério de Relações Exteriores, Tasneem Aslam, o míssil testado, projetado pelos laboratórios Khan, oferece a possibilidade de transportar cargas de urânio mais pesadas que os usados até agora. A potência do míssil permitiria atingir várias cidades importantes da vizinha e rival Índia, com a qual o Paquistão mantém um forte tensão militar desde sua independência do Reino Unido, em 1947. O primeiro-ministro paquistanês, Shaukat Aziz, cumprimentou os cientistas que participaram do desenvolvimento da arma. Ele insistiu em que o Paquistão acredita na paz obtida com uma posição de força e capacidade operacional. O laboratório nuclear Khan foi fundado pelo polêmico cientista Shaukat Khan, considerado o pai da primeira bomba atômica do Islã. A arma testada se chamaria Hataf V. Mas mudou de nome para Ghauri para homenagear Shahbuddin Ghauri, rei afegão do século XII que conquistou o norte da Índia em 1182 ao derrotar o rei Prithvi. A última geração de mísseis indianos de curto alcance foi baizada como Prithvi. O Paquistão diz que seu programa armamentista é uma resposta ao da Índia, que se proclamou uma potência nuclear em 1998.

Agencia Estado,

16 Novembro 2006 | 06h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.