Paquistão vai boicotar reunião sobre o Afeganistão

O Paquistão irá boicotar uma conferência internacional sobre o futuro do Afeganistão, a ser realizada na semana que vem na Alemanha, como protesto pelo bombardeio da Otan que matou 24 soldados paquistaneses no fim de semana, agravando a crise na região, disseram autoridades na terça-feira.

MUBASHER BUKHARI, REUTERS

29 de novembro de 2011 | 09h54

À conferência deverá reunir todos os principais interessados na estabilidade afegã depois da retirada das tropas de combate da Otan, no final de 2014. O boicote paquistanês causará problemas para os governos dos EUA e do Afeganistão.

"O Paquistão decidiu não comparecer à conferência de Bonn, como protesto", disse uma fonte do governo à Reuters, depois de uma reunião ministerial comandada pelo primeiro-ministro Yusuf Raza Gilani, em Lahore.

Outra fonte do governo, que também pediu anonimato, confirmou a decisão.

Os EUA e seus aliados temem que o Paquistão tente impor seus interesses próprios no Afeganistão, acabando com uma aliança que dura dez anos. Depois do incidente do sábado, o Paquistão sugeriu que irá reduzir sua cooperação com a Otan.

O governo paquistanês diz que a Otan bombardeou sem motivo dois postos militares paquistaneses na região da fronteira, causando a morte de 24 soldados e deixando outros 13 feridos.

(Reportagem de Augustine Anthony e Mubasher Bukhari)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOAFEGANISTAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.