Paquistão vai monitorar sites que transmitem conteúdo difamando o Islã

Google, Yahoo, Hotmail e MSN estão na lista; mais de 20 páginas serão fiscalizadas

Associated Press

25 de junho de 2010 | 11h10

ISLAMABAD - Um funcionário do governo do Paquistão disse que o governo vai passar a monitorar sete grandes websites, inclusive o buscador Google, por suspeita de transmissão de conteúdo blasfemando o islamismo. A medida se estenderá a 17 outros sites menores.

 

A lista de sites que serão monitorados pelo governo inclui, além do Google, o Yahoo, o MSN, o Hotmail, o Youtube, o Amazon e o Bing. O ministro das Telecomunicações paquistanês, Khurram Mehran, disse que links que forneçam conteúdo ofensivo serão bloqueados.

 

O embargo de sites já havia sido imposto pelo Paquistão anteriormente sobre o Facebook. A proibição durou duas semanas em maio por conta de uma página que estimulava os usuários a publicarem piadas e charges com o profeta Maomé, maior símbolo do islã.

Tudo o que sabemos sobre:
PqauistãoGoogleinternetislã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.