Paquistão veta a importação de remédios em represália a charges

O governo do Paquistão vetou a importação de medicamentos dos países que publicaram as polêmicas charges de Maomé, incluindo a Dinamarca, informou neste sábado a imprensa local. O veto foi anunciado na sexta-feira ao Senado pelo ministro da Saúde, Muhammad Naseer Khan, que afirmou que a divulgação das caricaturas é conseqüência de uma "conspiração" e foi "umato estúpido". "Não será permitida a importação de remédios daqueles países, onde jornais publicaram as caricaturas que feriram os sentimentos dos muçulmanos", disse o ministro. A república islâmica do Paquistão produz 85% dos remédios que consome e importa apenas 15% de 45 países. Entre eles estão alguns que publicaram as charges do profeta do Islã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.