Paquistão vive agitação política com volta de ex-líder exilado

O ex-primeiro-ministro do PaquistãoNawaz Sharif anunciou nesta quinta-feira sua volta do exílio,desafiando para as eleições o presidente Pervez Musharraf, queainda não decidiu se vai deixar o cargo de comandante doExército. Sharif, que foi destituído em 1999 por um golpe militarprotagonizado por Musharraf, disse em uma entrevista coletivaem Londres que vai desembarcar em Islamabad no dia 10 desetembro e depois viajar por terra até Lahore, sua basepolítica, para desafiar Musharraf nas eleições. "Vamos lançar um movimento contra o senhor Musharraf e seugoverno", disse Sharif, que corre o risco de ser preso, já quetinha sido condenado à prisão perpétua logo depois do golpe. Com o fim de seu mandato e a queda em sua popularidade,Musharraf, forte aliado dos Estados Unidos, está tentandoconsolidar sua posição para poder tentar ser reeleito. Ele pediu ajuda à ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, eseus assessores vêm discutindo um acordo de divisão de podercom Sharif. Bhutto insiste que, pelo acordo, Musharraf deixe o posto decomandante do Exército. Os militares governaram o Paquistãopela maior parte do tempo depois da independência do país, em1947. Ela disse na quarta-feira que quase chegara a um acordopara que Musharraf deixasse o posto militar, possivelmenteantes de tentar a reeleição, no mês que vem. Mas o porta-voz dopresidente, Rashid Qureshi, afirmou que ainda não há um acordodefinitivo. "Estão fazendo crer que uma decisão foi tomada, mas issonão aconteceu por enquanto. Não que eu saiba", disse Qureshi."O diálogo continua." Musharraf quer ser reeleito para mais cinco anos, antes queseu mandato como comandante do Exército termine, no final doano. A eleição parlamentar deve acontecer mais ou menos navirada do ano. Os governos ocidentais acompanham de perto a turbulênciapolítica no Paquistão, um Estado nuclear cujo apoio é essencialao combate à Al Qaeda e ao Taliban, no Afeganistão. (Reportagem adicional de Luke Baker em Londres e de FaisalAziz em Karachi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.