Para 16% dos muçulmanos britânicos, causa de terroristas era justa

Um em cada seis muçulmanos britânicos acham que os terroristas que provocaram a morte de mais de 50 pessoas no sistema de transportes de Londres, há um ano, foram motivados por uma causa justa. A informação foi divulgada nesta segunda-feira em uma pesquisa publicada no diário britânico The Times.Conduzida pelo jornal e pela ITV News, o levantamento revelou que 16% dos entrevistados pensam que a causa dos terroristas que provocaram os atentados de 7 de julho de 2005 - embora não suas ações - sejam justas. Para 13% dos entrevistados, os atacantes devem ser lembrados como mártires, e 7% acham que ataques suicidas contra civis britânicos podem ser justificados em algumas circunstâncias.Segundo a ITV, a pesquisa mostra que a "vasta maioria" dos muçulmanos britânicos não simpatizam com os atentados de 7 de julho, que deixou 52 pessoas mortas, além dos quatro terroristas.Mais de três quartos dos entrevistados, ou 78%, disseram que ficariam decepcionados se um membro de suas famílias ingressasse na Al-Qaeda. Já 35% afirmaram que ficariam felizes se um membro da família fosse da polícia.A pesquisa revela ainda que mais da metade dos pesquisados, ou 56%, acham que o governo deveria fazer mais para combater o extremismo islâmico no país, embora estejam divididas quanto a maneira como isso deveria ser feito. Para 48% dos que defendem uma maior prevenção ao terrorismo, os serviços de inteligência tem o direito de se infiltrar nas organizações. Já para 47% desse mesmo grupo, isso não deveria ser feito.Em relação à hostilidade enfrentada pelos muçulmanos, 79% dos pesquisados disseram já ter sido alvo de discriminação após os ataques. Ainda assim, quase dois terços dos ouvidos, ou 65%, acreditam que a comunidade muçulmana deve fazer mais para se integrar ao resto da sociedade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.