Para aiatolá, questionar resultado das eleições é crime

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse hoje que questionar o resultado da eleição presidencial de junho é um crime. Esta é a sua advertência mais forte aos líderes da oposição, que insistem em acusar o pleito de fraudulento. "No dia seguinte à eleição, algumas pessoas, sem lógica ou razão, chamaram a gloriosa eleição de mentirosa", disse Khamenei, segundo a televisão estatal. Para Khamenei, questionar a eleição era "o maior crime".

AE-AP, Agencia Estado

28 de outubro de 2009 | 15h57

Khamenei, que tem a palavra final em todas as questões de Estado, não chegou a ordenar a prisão desses líderes, como foi solicitado pelos linhas-duras, mas suas palavras indicam que o governo pode tomar ações mais fortes se as críticas continuarem.

O líder opositor Mir Hossein Mousavi disse que o presidente Mahmoud Ahmadinejad venceu a eleição de 12 de junho por meio de uma grande fraude eleitoral. Centenas de milhares de manifestantes foram para as ruas nos dias seguintes à votação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.