Para Amorim, nacionalizações de Chávez estão dentro da lei

Para o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a decisão do presidente Hugo Chávez de nacionalizar o setor de energia do país "é difícil de ser questionada", pois está "dentro da lei".Amorim falou com jornalistas na Base Aérea de Quito, a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Cada país tem seu caminho. Isso não significa, necessariamente, subscrever algo que ocorre lá (na Venezuela) como sendo o que tem de ser feito no Brasil", afirmou o chanceler brasileiro.Na semana passada, o assessor especial do presidente Lula, Marco Aurélio Garcia, afirmou que a decisão de Chávez significava o aprofundamento da democracia na Venezuela.Lula não vai a almoçoQuanto a ausência de Lula no almoço que Rafael Correa ofereceu aos chefes de Estado, Amorim alegou que Lula cancelou sua presença por estar com pouco tempo.O presidente da Argentina, Néstor Kirchner, também não compareceu. Sua ausência justifica-se por causa da participação de Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, na posse de Correa.O governo e a Justiça argentinos acusam autoridades iranianas de responsabilidade no atentado de 1994 à embaixada israelense em Buenos Aires. Amorim, porém, disse que essa presença não foi o motivo do cancelamento da participação de Lula no almoço. "Não. O presidente (Lula) tem pouco tempo. Ele tem muitas coisas, conforme vocês mesmos observaram", disse o ministro brasileiro. Acrescentou que Lula tomou posse há pouco tempo e precisa se dedicar aos assuntos internos do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.