Para analista, problema entre a China e os EUA é comercial

Os acadêmicos chineses responderam neste sábado as críticas do vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, afirmando que o problema entre os dois países não é militar, e sim comercial, informou o jornal China Daily."Apesar da preocupação de Cheney com a evolução armamentistachinesa, o objetivo em assuntos exteriores da China é óbvio: buscar um crescimento pacífico", disse o catedrático Shi Yinhong, da Escola de Estudos Internacionais da Universidade Popular de Pequim."O assunto mais urgente para as relações bilaterais entre China e EUA é comercial e não militar", acrescentou Shi.O secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, deve ir aPequim em março para negociar conflitos comerciais, já que o déficit dos EUA com a China é de cerca de US$ 200 bilhões.Cheney disse na sexta-feira na sua visita à Austrália que o rápido crescimento militar da China e o lançamento de seu primeiro míssil anti-satélite não combinavam com a vontade anunciada pelo governo chinês de crescer de forma pacífica como uma potência global.O governo chinês ainda não se pronunciou sobre as palavras de Dick Cheney.A administração do presidente George W. Bush se referiu à China como ameaça militar em diversas ocasiões nos últimos anos.Shi prevê que as opiniões de Cheney sobre a ameaça militarchinesa receberão apoio de poucos países, "mas sua influência internacional não será substancial".O jornal lembra que Cheney foi um dos defensores da invasão do Iraque em 2003, e ressalta que na sexta-feira, em Sydney, o vice-presidente também elogiou o papel da China nas negociações para o desarmamento nuclear norte-coreano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.