Goran Tomasevic/Reuters
Goran Tomasevic/Reuters

Para analistas, Nobel da Paz ao PMA lança luz ao papel da ONU no mundo 

Prêmio é anunciado poucas semanas após a Assembleia-Geral das Nações Unidas, onde há 59 anos o PMA foi criado, num momento em que o sistema ONU é atacado por líderes nacionalistas e populistas

Paulo Beraldo , O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 20h10

O  Prêmio Nobel da Paz de 2020 concedido nesta sexta-feira, 9, para o Programa Mundial de Alimentação (PMA), braço humanitário da ONU contra a fome, dá reconhecimento e lança luz ao papel das Nações Unidas no mundo, na avaliação de analistas ouvidos pelo Estadão

O Nobel da Paz foi anunciado poucas semanas após a Assembleia-Geral das Nações Unidas, onde há 59 anos o PMA foi criado, num momento em que o sistema ONU é atacado por líderes nacionalistas e populistas. 

Na avaliação do diplomata Rubens Ricupero, a escolha de uma agência da ONU é simbólica por lançar luz em um programa concreto que deixa clara uma das utilidades das Nações Unidas. “Escolheram um problema real, que ameaça milhões de pessoas, e mostram que, se não fosse a ONU, o número de pessoas morrendo seria muito maior”, explica. 

“Se não houvesse a ONU, que país se mobilizaria e gastaria bilhões com ajuda humanitária para acabar com a fome?” Para Ricupero, a escolha de entidades tende a ser uma forma de procurar consensos em um ambiente polarizado. “É mais neutro”. 

A avaliação é a mesma de Oliver Stuenkel, coordenador da pós-graduação em relações internacionais da FGV-SP, para quem o grupo do Nobel decidiu escolher uma instituição acima de controvérsias. Para Stuenkel, no entanto, há motivos mais importantes.

“A mensagem que quiseram passar é a de que não podemos depender de indivíduos, e sim de enfatizar a importância de instituições, normas e regras. É de que não podemos aguardar um salvador que vai fazer toda a diferença sozinho, e de que instituições têm um impacto maior.”

Ricupero e Stuenkel concordam que escolher uma agência como a Organização Mundial da Saúde (OMS) no momento seria controverso. A atuação do PMA vai desde a distribuição direta de alimentos em regiões de conflitos até o auxílio para que governos desenvolvam políticas públicas de redução da fome. 

“Essa premiação sublinha o papel da ONU e a urgência de se lidar com a questão da segurança alimentar no contexto da pandemia, que não afeta apenas os países mais pobres, mas também populações vulneráveis em países de renda média e nos países mais ricos”, afirma Adriana Abdenur, pesquisadora de relações internacionais e diretora da Plataforma Cipó. 

Não é a primeira vez que uma organização internacional vence o Nobel da Paz. Entre 2000 e 2020, foram sete. Entre 1901 e 1999, foram 18. Em 2013, a agência da ONU contra a proliferação de armas químicas recebeu o prêmio. Em 1981, foi a vez do Alto Comissariado para Refugiados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.