Para analistas, teste dá força a Obama contra arsenais

Para um presidente que no mês passado, durante a cúpula de 60 anos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), pediu ?um mundo livre de armas nucleares?, o teste norte-coreano de ontem poderia significar um banho de água fria ao mandatário dos Estados Unidos. Porém, analistas evitam conclusões imediatas. Barack Obama já teria demonstrado certa herança ?churchilliana?, afirmam, e a nova crise com Pyongyang pode servir como oportunidade única para, finalmente, levar a questão nuclear ao topo da agenda internacional.

AE, Agencia Estado

26 de maio de 2009 | 08h33

Com o fim da Guerra Fria, o controle de armamento e o temor de um holocausto nuclear - ou Destruição Mútua Assegurada (MAD), segundo o jargão militar - ?deixaram o centro do palco?, disse Lawrence Korb, do liberal Center for American Progress. ?Mas hoje a proliferação é questão-chave nos pontos mais sensíveis: Irã, Paquistão, Israel e o mundo árabe, Rússia, terrorismo, etc.?

Em seu discurso na Otan, em 5 de abril, Obama admitiu que o objetivo de esvaziar arsenais era ?um sonho? (horas depois, Pyongyang testaria um novo míssil). Mas falar sobre proliferação à aliança dos tempos da Guerra Fria foi ?extremamente simbólico?, afirma Korb, e um indicativo da importância que Obama dá ao assunto.

Se o destaque dado ao tema pode mudar com o teste de ontem, o modo como é conduzida a política contra a proliferação nuclear deverá permanecer inalterado, afirma o especialista. O conservador James Pinkerton, do centro New American Foundation, compartilha a opinião em relação à Coreia do Norte. ?Obama simplesmente recicla as políticas de George W. Bush, com porretes e cenouras ineficientes?, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteEUAnuclearObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.