Para analistas, teste nuclear desafia sistema de sanções

O teste nuclear da Coreia do Norte lança luz sobre o que hoje é um dos maiores desafios da comunidade internacional quando o tema é prevenção de conflitos: descobrir como impor sanções econômicas que sejam eficientes, mas não se tornem um pesado fardo para as populações locais, dizem especialistas, citando o fato de a Coreia do Norte não ter interrompido seu programa nuclear mesmo após as punições. Ontem, o país asiático anunciou a realização de seu segundo teste atômico.

AE, Agencia Estado

26 de maio de 2009 | 10h03

As penalidades impostas à Coreia do Norte a partir de 2006, quando o país fez seu primeiro teste nuclear, foram relativamente limitadas. Basicamente, restrições financeiras e proibições à venda de armas, bens de luxo e materiais que poderiam ser usados no seu programa nuclear. O objetivo - da mesma forma que na imposição de sanções ao Irã - era evitar a repetição do caso iraquiano, criticado por órgãos de defesa dos direitos humanos. Mas o fato de Pyongyang não ter cedido à pressão põe em evidência, segundo especialistas, a necessidade de aprimorar a estratégia.

?Começou-se a pensar em ''sanções específicas'' após o fracasso das amplas sanções impostas nos anos 90 ao Iraque, que desmontaram a economia do país e causaram grande sofrimento para a população?, disse Peter Wallensteen, especialista em sanções da Universidade de Uppsala, na Suécia. Entre essas novas ?sanções específicas? estão, por exemplo, as restrições às viagens e o confisco de ativos de determinadas autoridades, além da proibição do comércio de alguns produtos, como armas, bens de luxo e diamantes. ?Mas as dificuldades desse novo sistema são grandes, até porque é difícil saber quem deve estar na lista dos alvos das retaliações.?

São muitos os fatores que influenciam os resultados das sanções econômicas, a começar pelo grau de adesão dos vizinhos e o isolamento do país alvo (particularmente importante no caso norte-coreano). O norte-americano Gary Hufbauer, do Peterson Institute, analisou 174 casos de sanções para escrever o livro Economic Sanctions Reconsidered e explica que os objetivos também contam. ?Tiveram sucesso 50% das sanções adotadas para pressionar por alterações modestas nas políticas do país alvo, 30% das que buscavam uma mudança de regime e 20% daquelas cujo objetivo era conter ações militares.?

Hufbauer diz que se o impacto de uma medida de retaliação é limitado, em alguns casos o governo do país atingido pode se sentir menos pressionado a fazer mudanças. ?Mas, em geral, a taxa de eficiência das sanções específicas tende a ser parecida com a das amplas. E como os custos para a população são menores, elas parecem ser a melhor opção?, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Nortenuclearsanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.