Para autoridades, mau tempo causou queda de avião russo

A queda do avião russo Tu-154 que provocou a morte de todos os seus 170 ocupantes - dentre os quais 45 crianças - foi provavelmente resultado de uma tempestade de raios, disseram autoridades russas nesta terça-feira. O jato da Pulkovo Linhas Aéreas caiu no leste da Ucrânia quando tentava fazer uma aterrissagem de emergência, minutos após enviar um sinal de alerta de que estaria passando por uma forte tempestade.Três horas após o acidente, os ministérios de Situações de Emergência da Rússia e da Ucrânia confirmaram a morte de todos os passageiros da aeronave. "Ninguém sobreviveu", disse Mykhaylo Korsakov, o porta-voz do departamento de Situações de Emergência da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia. Funcionários dos serviços de emergência russos rapidamente descartaram a possibilidade de que a tragédia tenha sido causada por um atentado terrorista. Segundo eles, a causa do acidente - o terceiro avião de passageiros russo a cair neste ano - foi o mau tempo.Autoridades ucranianas disseram que ventos fortes, chuva e raios atingiam a região no momento da passagem do jato. Segundo a porta-voz do ministério de Situações de Emergência russo, Irina Andrianova, o avião foi provavelmente atingido por um raio. Instantes antes de desaparecer das telas dos radares ucranianos, o piloto do Tu-154 teria pedido autorização para fazer uma aterrissagem emergencial."Às 15h37 (8h37 de Brasília) a tripulação enviou uma mensagem de S.O.S., e dois minutos mais tarde o avião saiu do alcance dos radares", disse Andrianova.Fontes oficiais afirmaram que a maioria de passageiros eram russos e ucranianos, mas que também havia pessoas de outros países. O avião caiu em um lugar de difícil acesso, a 45 quilômetros ao norte de Donetsk.O Tu-154 fazia a rota entre o balneário de Anapa, no Mar Negro, e a cidade de St. Petersburg. Anapa é um destino popular entre famílias em férias. Moradores da vila de Sukha Balka, ao norte da cidade de Donetsk, encontraram partes da cauda do avião e outros pedaços da lataria pegando fogo. Investigadores ainda procuram pela caixa-preta da aeronave.De acordo com funcionários ucranianos, o piloto do Tu-154 decidiu subir mil metros para escapar da tempestade. Mas, enquanto subia de nove mil para 11 mil metros, ele enviou o primeiro sinal de socorro. Instantes depois, o piloto envio outros dois sinais de socorro, o último já a 3 mil metros de altitude. Incêndio a bordoFontes da companhia Pulkovo afirmaram que os tripulantes do avião avisaram sobre um incêndio a bordo a 10 mil metros, e tentaram efetuar uma aterrissagem de emergência, mas não conseguiram acionar o trem de pouso.Tanto autoridades russas como ucranianas disseram que não há sinais de que o incidente tenha sido causado por terrorismo. "O acidente não foi um ataque terrorista", disse o diretor do ministério de Situações de Emergência russo em St. Petersburg, Leonid Belyayev.O avião de 16 anos havia voado 9 mil quilômetros desde sua ultima manutenção, e não deveria passar por um novo check-up em breve. A Pulkovo está entre as maiores companhias aéreas russas.O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou que o Governo investigue o acidente, enquanto a prefeita de São Petersburgo, Valentina Matvienko, prometeu oferecer ajuda econômica a todas as famílias afetadas.O Ministério de Emergências da Rússia enviou um avião a Donetsk com equipes de resgate, além de vários helicópteros. O Ministério Público da Rússia já começou a investigar o acidente.Já o Ministério da Defesa da Ucrânia declarou que as Forças Armadas do país não efetuaram operações hoje, em alusão à tragédia de outubro de 2001, quando militares ucranianos abateram acidentalmente um Tu-154 russo com 78 pessoas a bordo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.